Limão

O limão-siciliano, conhecido em Portugal simplesmente como limão (espécie Citrus x Limon), é o fruto de uma pequena árvore de folha perene, originária da região sudeste da Ásia, da família das rutáceas. Apresenta diversas variedades cultivadas, sendo uma dezena delas frequentes, como, por exemplo, o limão-eureca, o limão-lisboa, o limão-fino, o limão-verno, o limão-villafranca, o limão-lunário, entre outros.



Origens

O limão é originário da Índia, onde é amplamente cultivado. Os indianos e chineses cultivam-no há milénios. Os povos árabes difundiram o seu valor medicinal no Egito e na Palestina. Alexandre, “O Grande”, levou-o nas suas conquistas por toda a Europa. Sendo assim, o limão passou a ser considerado como um fruto milagroso, usado por médicos gregos, latinos e árabes no mundo antigo.

Os gregos e os romanos acreditaram na “panaceia universal”, planta imaginária a que se atribuía o poder de curar toda e qualquer doença. E por incrível que possa parecer a planta que mais se aproximava desta imaginação seria o limão, já que o mesmo é descrito por vários e renomados médicos como tendo o poder de curar mais de duzentas enfermidades.



Propriedades

As aplicações dos limões na vida quotidiana são inúmeras. Com o seu sumo, fazem-se bebidas, gelados, molhos e aperitivos, bem como remédios, xaropes e produtos de limpeza. Da casca, retira-se uma essência aromática usada em perfumaria e na preparação de licores e sabões.

Estudos epidemiológicos associam a ingestão de frutas cítricas à redução no risco de várias doenças. O limão também mostra alguma atividade antimicrobiana.

Em fitoterapia, é utilizado para diversas patologias, tais como reumático, infecções e febres, aterosclerose, no combate a ateromas (remove placas gordurosas das artérias), constipações, gripes, dores de garganta, acidez gástrica e úrica (alcaliniza o sangue), frieiras, caspas, e cicatrizações.

Ajuda à manutenção do colagénio, hemoglobina e atua como antisséptico. O limão possui uma substância denominada limoneno, capaz de combater os radicais livres. É, fundamentalmente, um remédio tónico que ajuda a manter a boa saúde. Farmacologicamente, o limão é importante pelo seu valor nutricional de vitamina C e potássio.

Ao contrário de outras variedades cítricas, o limoeiro produz frutos de forma contínua. As principais diferenças entre limões e limas ácidas são o tamanho e o gosto, ligeiramente diferente, pois os limões têm sabor um pouco mais suave. Apesar disso, todas essas espécies têm origens semelhantes.

Outra característica que diferencia os limões das limas ácidas é o rendimento para fazer sumos, sendo que as limas são melhores para esse uso.



Utilização / Conservação

O limão é originário da Índia, onde é amplamente cultivado. Os indianos e chineses cultivam-no há milénios. Os povos árabes difundiram o seu valor medicinal no Egito e na Palestina. Alexandre, “O Grande”, levou-o nas suas conquistas por toda a Europa. Sendo assim, o limão passou a ser considerado como um fruto milagroso, usado por médicos gregos, latinos e árabes no mundo antigo.

Os gregos e os romanos acreditaram na “panaceia universal”, planta imaginária a que se atribuía o poder de curar toda e qualquer doença. E por incrível que possa parecer a planta que mais se aproximava desta imaginação seria o limão, já que o mesmo é descrito por vários e renomados médicos como tendo o poder de curar mais de duzentas enfermidades.